Atualizando computador

Atualizando a versão do PowerShell no Windows Gostaria de aprender a instalar uma nova versão do Powershell? Neste tutorial, vamos mostrar como atualizar a versão do Powershell instalada em um computador executando o Windows. Conecte o seu leitor FreeStyle Libre ao seu computador com um cabo USB compatível. 2 Descarregue a atualização do Leitor. Lamentamos, o software necessário para atualizar o seu Leitor não é compatível com o seu computador. Versões Compatíveis: PC com Windows 7 SP1 ou superior Mac com OS X Sierra ou superior. Como Instalar e Atualizar os Drivers de um Computador. Este artigo o ensinará a instalar e atualizar drivers para um hardware específico em um computador Windows. Drivers são partes de um software que ajudam um periférico (por exemplo: uma... Plataforma de compras mantém histórico das compras realizadas pelo usuário no computador ou celular. Há 4 dias E-commerce . Requisitos de Outer Wilds e como fazer download no PC (Steam), PS4 e ... Preciso de ajuda pois meu Dropbox está atualizando sem parar todo meu computador foi para dentro do Dropbox. Mas é i Possível pelo tamanho dos arquivos. Quero desfazer está função... só quer que fique como antes... somente as pastas que destinei para Dropbox... não todo meu computador. Preciso traba... Se você optar pela versão paga do programa (US$ 30 por ano para um computador), ele consegue atualizar os drivers automaticamente, assim que houver alguma atualização. ⭐ atualizar iphone pelo computador Informações sobre o Atualizar iphone pelo computador ⭐ que você pode encontrar neste blog, por favor leia o artigo sobre Atualizar iphone pelo computador, espero que possa fornecer conhecimento e útil. Como os componentes que estamos atualizando mudam de computador para computador, você precisa adaptá-lo a sua necessidade. O post aborda os fabricantes de componentes mais comuns. Precisamos instalar um programa chamado AIDA64. Ele é um programa que usamos para obter todas as informações sobre nosso computador, deste Sistema instalado até ... Limpe a cache do DNS do computador. Publicidade. Método 2 de 4: Atualizando a página no navegador Chrome do celular 1. Comece abrindo o navegador Google Chrome no seu celular. Toque no ícone . do aplicativo, localizado na tela principal ou no menu de aplicativos do aparelho. ... O DriverIdentifier é mais um software básico para atualizar os drivers do PC. Ele escaneia seu computador para verificar o que precisa ser atualizado e te mostra a lista de tudo o que está disponível. Ele faz isso através de um arquivo HTLM, que então é usado para checar com a base deles na internet.

FNO O que é FNO? Vale a Pena o Formula Negocio Online?

2020.06.09 15:22 priamajuju FNO O que é FNO? Vale a Pena o Formula Negocio Online?

FNO O que é FNO? Vale a Pena o Formula Negocio Online?
Pode parecer estranho mas vira e mexe essa pergunta pipoca pra mim nas redes sociais
principalmente nas perguntas dos direct do instagram .
Porque afinal agente acaba pensando que todos conhecem o FNO. Acho até estranho as pessoas perguntarem isso mas na verdade nem todo mundo associa sua sigla ao curso fórmula negócio online, e quando as pessoas vêem tanta gente me perguntando sobre o fno agradecendo por ter indicado, acabam ficando curiosa.
Vou explicar em detalhes o que é FNO, o fogo negócio online eu também vou explicar por que tanta gente vai perguntar pra mim a respeito desse curso e vou te contar um pedacinho da minha história com ele.

Afinal o que significa FNO?

FNO é a abreviatura de fórmula negócio online, que é um curso superior completo e eu diria que é o mais completo do mercado para a formação de afiliados e iniciantes, se você ainda não sabe que é afiliado eu vou deixar um link aqui para um artigo que para você entender depois tudo sobre essa profissão tá bom.
O Fórmula Negócio Online vem transformando a vida de Milhares de Pessoas que buscam trabalhar através da internet.
E pode fazer na sua, tá legal que você está procurando formas de ganhar dinheiro na internet encontra opções dentro do marketing digital durante as suas pesquisas você entendeu o que é trabalhar como afiliado, e decidiu que é isso que você quer fazer para ganhar dinheiro na internet ,que foi o que aconteceu comigo!
Ótimo você já deu o primeiro passo e fez as suas pesquisas e tomou a decisão, só tem um problema você não faz ideia de como será afiliado.

Dúvidas de Iniciantes

No início nos sentimos perdidos em meio tanta informações novas.
Por onde começar, como se cadastrar na plataforma, aliás não sabe nem quais plataformas existem, quais produtos escolher, onde encontrar produtos para promover, como promover seus produtos , e o que é uma estrutura de negócio online.
É tanta coisa para aprender de uma vez só, que é normal se sentir tão perdido, não sabendo por onde começar.
E aí que a essa altura você já entendeu que é uma profissão, e que para fazer qualquer coisa na vida o advogado, médico, veterinário, contador, fisioterapeuta, enfermeiro, afiliado você precisa estudar.

https://preview.redd.it/ew59xl8ayv351.jpg?width=1000&format=pjpg&auto=webp&s=09fa388c0b098dc0901e76c4d9508dbc2d44787c

O que o FNO Ensina ?

Todo mundo que tem sucesso que você encontrou na internet estudou muito para chegar onde você quer chegar.
É é aí que entra o FNO, o fórmula negócio online que é o treinamento que te ensina do absoluto zero, o passo a passo para montar o seu negócio.
Então ele começa do básico te explicando todos os conceitos, mostrando uma estrutura e depois partindo para essa parte mais técnica junto com você, é um curso teórico e prático para você assistir fazer junto.
Quando você terminar ou até antes disso como foi o meu caso você já vai ter sua estrutura montada para trabalhar como afiliado.
Quando a gente fala que é do absoluto zero, muita gente entende que você não vai gastar dinheiro algum.
Olha só no treinamento você até aprende a utilizar ferramentas totalmente gratuita, mas quando me refiro a começar do zero eu estou dizendo que do zero de conhecimento igual a mim, que era leiga que não sabia nada de internet, de blogs, redes sociais e gerar conteúdo de conhecer público alvo, de nicho, hotmart, o produto.

Investir, ou Não?

Eu sempre digo o seguinte, eu com a minha experiência digo sempre, para mim é muito melhor você fazer bico pra conseguir uma renda extra, e contratar as ferramentas pagas que não são caras, mas que fazem toda a diferença do que montar o seu negócio online com tudo gratuito.
Eu já tive essa mentalidade de coisas gratuitas eu me dei mal, mas se você prefere começar sem grana alguma eu sempre digo também que o conhecimento é poder.
Não tem como começar a trabalhar nenhuma profissão sem saber como, então conhecimento é o grande segredo de tudo. Por isso que eu recomendo o FNO.
Então seguindo os passos do treinamento você vai sim ser capaz de montar o seu negócio online, e trabalhar pela internet mesmo que você não saiba nada ou seja do zero.

Didática do Curso

O Alex Vargas o professor desse curso, só falta te pegar pela mão e mostrar no computador o botão que você tem que apertar.
É um curso tão didático que atende desde as pessoas mais leigas, que não entendem nada de internet , que era o meu caso, até aquelas pessoas mais safras entendem um pouquinho de internet, mas precisam aprender as estratégias para trabalhar online.
Desde que esse curso foi lançado há três anos atrás, está sempre entre os cursos mais vendidos do Hotmart,
que é a maior plataforma de cursos online Brasil.
O Alex e a equipe dele estão sempre atualizando curso, incluindo novas técnicas e estratégias, ferramentas novas, bônus, substituindo aulas.
O que é extremamente importante para quem está começando, por falar em equipe e eu também não posso deixar de falar na equipe de suporte do Alex, que quando precisa também gravar aulas de atualizações. Todos têm muito boa vontade atuam ativamente na comunidade de alunos.
Na comunidade de alunos que não posso deixar de mencionar, quando era iniciante era lá que eu buscava apoio suporte, ombro amigo, dicas . A comunidade ajuda muito mais rápido que o suporte, e você ajuda também, e quando a gente repassa alguma informação que sabemos, acaba aprendendo ainda mais.

O que exatamente o FNO Oferece?

Tá achando que é só isso o FNO tem muito mais coisa para oferecer, tem bônus, ferramentas profissionais que são oferecidas gratuitamente para os alunos, descontos especiais em outras ferramentas pagas, caso você queira contratar, mais de 200 aulas com mais 60 horas de aula , tem um módulo de vendas rápidas para você começar a ter retorno logo do investimento do curso , e ainda tem os meus 12 super bônus exclusivo se você se inscrever no treinamento pela minha indicação.
E se você quiser saber absolutamente tudo que o treinamento oferece, todas as aulas, todas as ferramentas todos os bônus é só você clicar no link , pode clicar ver tudo tudo que tem na página sem medo, sem compromissos que a compra só vai ser efetuada se você digitar os dados do seu cartão, ou se você imprimir o boleto no banco pagar tá bom ?
Então pode clicar e explorar com calma para você tomar essa decisão.
Agora me conta o seguinte esse artigo aqui esclareceu suas dúvidas sobre o que é o FNO, que eu me esforcei bastante para passar todas as informações que pude, então quero te pedir você compartilhe esse artigo com aquele seu amigo que você sabe que tem perfil para trabalhar em casa pela internet.
ADQUIRA O CURSO AQUI
Eu vou ficando por aqui me despeço de você um grande beijo e até o próximo artigo.
submitted by priamajuju to u/priamajuju [link] [comments]


2020.01.29 04:29 nome_daniel Problema SISU lista de espera

Alguém mais tá com problema na lista de espera, comigo aparece a seguinte msg
Você indicou interesse em participar da lista de espera na outra opção. Saiba mais
Sendo que eu só escolhi uma opção.
Edit: CONSEGUI, o meu método foi migrar do celular pro computador e vice e versa e ficar atualizando muito. Por ser um erro que muitos tão passando acho que daqui a pouco já é resolvido pra todos
submitted by nome_daniel to brasil [link] [comments]


2019.08.04 02:52 altovaliriano Os primeiros dias do fandom de ASOIAF e Game of Thrones

Link: https://bit.ly/2KtExQJ
Autora: Alyssa Bereznak
Título original: The Last Popular TV Show (How game of Thrones became the last piece of monoculture)

Padraig Butler não se lembra exatamente quando se tornou Deus-Imperador da Brotherhood Without Banners. Nos últimos 18 anos, o gerente demeteorologia aeronáutica de 43 anos fez uma peregrinação anual à Worldcon, a convenção de ficção científica e fantasia, para celebrar o trabalho de George R.R. Martin, autor de As Crônicas de Gelo e Fogo. E foi quase 18 anos atrás, quando ele viajou pela primeira vez de sua cidade natal, Dublin, na Irlanda, para a Filadélfia, que começou a jornada até Imperador-Deus.
Segundo a história, a recém-criada organização - batizada em homenagem a um grupo fora da lei na série de livros - organizou uma festa em homenagem a Martin. Depois de uma noite de bebedeira, um fã bem satisfeito, conhecido em fóruns online como Aghrivaine (e cujo nome real é David Krieger), presenteou o autor com uma espada e pediu para ser armado cavaleiro. O autor concordou sob uma condição: que Krieger e os outros foliões se juntassem a ele em uma "missão" às 1 da manhã ao Pat’s King of Steaks. Naquela noite, depois que cerca de 20 membros da BWB encheram seus estômagos com a comida local, eles foram apelidados de Cavaleiros do Cheesesteak.
Nos primeiros anos do clube de fãs do livro, quando o tamanho dos encontros da Brotherhood Without Banners ainda era administrável, esses títulos voltados para a comida se tornaram um símbolo de honra. (Os Cavaleiros da Poutine, os Cavaleiros do Deep Dish, os Cavaleiros do Haggis e, lamentavelmente, os Cavaleiros da Lixeira). Por decreto de Martin, foram acrescentadas outras honras para reconhecer a participação. Um membro que tivesse participado de pelo menos três grandes encontros da BWB seria apelidado de lorde. Depois das cinco, um príncipe. E depois de sete, rei. Butler já esteve em 16 Worldcons e cerca de 100 outras convenções relacionadas a Thrones e confraternizações pertinentes, protegendo seu reino há muito tempo por meio de seu título de cavaleiro do Cheesesteak. "Eventualmente perguntaram a George, de que chamaremos Padraig agora?" Butler lembra. "Ele disse: ‘É isso. Ele é um rei. Ele vai ficar rei até que alguém o remova do trono’”. Butler não tem planos de parar. "Agora as pessoas apenas dizem: 'Você é o Imperador-Deus'".
Butler visitou um total de 12 países e quatro continentes para se encontrar com seus companheiros de estandarte, construindo uma rede social internacional digna de um líder mundial consagrado. E graças a uma junção de tecnologia e entretenimento, a série de livros indie pela qual ele se apaixonou nos anos 90 se tornou uma espécie de passaporte cultural, tanto uma razão para ver o mundo quanto uma maneira de se conectar com as pessoas que o compõem.
Ao longo dos anos, ele também assistiu com admiração quando Game of Thrones explodiu e se tornou uma peça onipresente da cultura pop diante de seus olhos. Um dia, ele embarcou em um trem e viu vários passageiros lendo os livros de Martin. Então ele olhou para cima para ver outdoors gigantes anunciando a data de estréia da adaptação da HBO. Eventualmente, seus colegas no aeroporto começaram a discutir o programa como uma fonte de turismo. (Uma atração de 110.000 pés quadrados chamada Game of Thrones Studio Tour será aberta na Irlanda na primavera de 2020.) Depois de quase 20 anos celebrando a série, e vendo-a se transformar em best-seller, programa de televisão, universo estendido e a potência da propaganda, ele ainda acha difícil processar o alcance da franquia. "É tipo: Nossa, isso está em toda parte agora."
[...]
Em 1997, Linda Antonsson estava dando uma olha sua livraria local em Gotemburgo, na Suécia, quando se deparou com uma versão em brochura de A Guerra dos Tronos, de George R.R. Martin. Era o primeiro item no que o autor previa ser uma trilogia intitulada As Crônicas de Gelo e Fogo, e contava a história de várias grandes casas disputando o poder nos continentes fictícios de Westeros e Essos, contada a partir da perspectiva de um punhado de personagens interessantes. O livro tinha sido lançado no ano anterior sem muito alarde. "Realmente não fez sucesso quando saira em capa dura", lembra Antonsson. Mas quando ela começou a ler, foi fisgada.
Ninguém mais que ela conhecia havia lido o livro, então ela se voltou à internet em busca de outros fãs de Martin - o que era uma experiência relativamente nova nos anos 90. "Eu lia muita fantasia, mas nunca tive ninguém com quem conversar sobre fantasia", ela me disse. "Eu tinha todas essas coisas que queria discutir e ninguém para conversar." Os cidadãos suecos não conseguiram adquirir suas próprias conexões dial-up até 1995; antes disso, Antonsson ocasionalmente fazia o acesso no centro de informática de sua universidade, onde estudava arqueologia clássica. Quando ela finalmente conseguiu sua própria conexão à Internet, ela navegou de bulletin board em bulletin board, debatendo desde a trilogia O Senhor dos Anéis, de J. R. R. Tolkien à série de livros A Roda do Tempo, de Robert Jordan. “Era um mundo incrível para se entrar, para poder encontrar todas essas pessoas que compartilhavam seu interesse sobre essas coisas que pareciam bem obscuras.”
Através desses primordiais fóruns da internet, Antonsson também descobriu o ElendorMUSH, um RPG multijogador baseado em texto que simulava o ambiente da Terra Média descrito nos romances de Tolkien. (O termo MUSH significa “alucinação compartilhada por vários usuários” [multi-user shared hallucination]. Isso foi antes de World of Warcraft, quando os computadores não tinham placas gráficas poderosas e os jogadores tinham que usar sua imaginação). Foi lá, na “cultura” que Antonsson havia se juntado, que ela conheceu Elio García. Na época, García estudava literatura inglesa e história medieval na Universidade de Miami. E os dois passaram os últimos anos analisando os detalhes mais sutis da Terra Média em árvores de discussão da Usenet, as precursoras dos fóruns on-line. Depois de terminar A Guerra dos Tronos, Antonsson convenceu o cético García a lê-lo também.
Logo eles estavam navegando juntos. Em 1998, a internet estava sendo amplamente usada como um utilitário de busca de informações em vez de uma rede social. Mas com a ajuda de algumas pesquisas no AltaVista, os dois encontraram tantos fóruns de fãs de A Guerra dos Tronos quanto puderam. Entre seus resultados estava Dragonstone, que García lembra ter sido executado via uma conexão de internet instável na Austrália; Harrenhal, que foi construído sobre a plataforma de serviços web Angelfire da Lycos (quee de alguma forma ainda existe hoje); e um fórum chamado Canção de Gelo e Fogo, dirigido por um usuário chamado “Revanshe.” Isso foi na época em que o mundo do entretenimento estava começando a entender o poder de marketing de mitos na internet. E, ao fuçar os fóruns de fãs dedicados à série Wheel of Time, Antonsson havia testemunhado em primeira mão como pistas e pontos da trama não resolvidos motivavam conversas. Ela viu o mesmo fervor se desdobrando com ASOIAF.
"Algumas das maiores e mais intensas discussões sempre foram sobre mistérios", disse Antonsson. "O primeiro tópico que eu lembro de ter lido no fórum de Pedra do Dragão foi a discussão sobre a paternidade de Jon e as poucas pistas que existiam depois do primeiro livro."
O fórum ASOIAF de Revanshe acabou se tornando grande em 1998, acumulando o que García estimava em cerca de 1.000 usuários regulares. Quando chegou a hora de Revanshe ir para a faculdade de medicina, ela passou o site para García, que já havia se tornado um moderador.
Enquanto isso, García e Antonsson estavam planejando começar seu próprio jogo MUSH em Westeros. Para garantir uma representação fiel, eles colocaram sua formação acadêmica em prática e tornaram-se geologistas, botânicos, zoólogos, antropólogos e historiadores autônomos de Westeros, registrando todos os fragmentos de dados que poderiam extrair de de Guerra dos Tronos em um documento do Microsoft Word chamado “The Concordance”. Eles compartilharam o banco de dados no fórum ASOIAF, pavimentando o caminho para a fundação da enciclopédia on-line feita por fãs, que hoje é conhecida como A Wiki of Ice and Fire. A wiki, que seria desenvolvido alguns anos depois, é composto de 23.081 páginas de conteúdo e passou por 236.642 edições desde o seu lançamento. Também inspirou a fundação de 11 sites irmãos em idiomas estrangeiros.
Observando os fóruns de fãs da Roda do Tempo, eles também estavam cientes de que a correspondência com os autores era freqüentemente perdida em tópicos separados. Então foi nessa época que eles começaram a registrar as entrevistas de Martin, e-mails, respostas em fóruns e postagens em blogs pessoais. (Naquele ano eles fizeram seu primeiro momento de contato com o autor, para pedir permissão para fazer o jogo MUSH. Meses depois, ele concordou, e os dois ainda tocam o A Song of Ice and Fire MUSH como um projeto paralelo).
O crescimento constante dos seguidores on-line de Martin - emparelhado com seu envolvimento na cena de ficção científica e fantasia desde os anos 1970 - gerou uma quantidade razoável de novidades para o segundo fascículo da série de Martin, A Fúria dos Reis. "Martin não pode rivalizar com Tolkien ou Robert Jordan, mas ele se qualifica com perfeitos medievalistas de fantasia como Poul Anderson e Gordon Dickson", escreveu um Publisher's Weekly cautelosamente otimista. À época, Peter Jackson estava se preparando para filmar a trilogia de filmes de O Senhor dos Anéis, e produtores e cineastas que viam potencial no gênero de fantasia começaram a sondar Martin pelos direitos de sua história. (Ele hesitou, convencido de que sua história nunca poderia ser esmagada no formato de filme).
Foi quando a coisa entre García e Antonsson ficou séria em mais de uma maneira. Por dividirem o gosto por Tolkien, Jordan e Martin, um romance floresceu e, alguns meses depois de Fúria ser lançado, García se mudou para a Suécia. Todos com quem eles conversaram sobre a série estavam apaixonados por ela. “Nós tínhamos alguns proselitistas que falavam em arremessar os livros em amigos, familiares, colegas de trabalho, etc.”, disse García por e-mail. “E foi tudo muito orgânico. A Random House não passava seu tempo vasculhando maneiras de nos vender ou fazendo com que trabalhássemos para eles, os fãs só fizeram isso porque gostavam”.Encorajados pelo fato de o livro inicial não ter sido o único, eles lançaram o site Westeros.org, reunindo os fóruns que herdaram, os dados de “The Concordance” e seus registros dos declarações públicos de Martin. Começou como um projeto paralelo executado em um servidor miudo em casa, enquanto continuavam a perseguir seus respectivos objetivos acadêmicos. Mas, eventualmente, se tornaria a principal fonte de análise e informação sobre o universo, seu autor e tudo mais.
Enquanto isso, a série de Martin continuou atraindo mais leitores e tornando-se mais difícil de lidar. O manuscrito de seu terceiro livro, A Tormenta de Espadas, tinha 1.521 páginas, e alguns editores não conseguiram manter tudo em um volume. Mas seu apoio entre a comunidade on-line da fantasia ficou mais forte do que nunca, e a Publisher’s Weekly chamou esse fascículo de “um dos exemplos mais gratificantes de gigantismo na fantasia contemporânea”. Quando foi lançado em 2000, estreou em 12º lugar na lista de best-sellers do New York Times.
No momento em que Martin lançou O Festim dos Corvos em 2005, ele garantiu seu lugar como o proeminente escritor de fantasia da década. O livro chegou ao topo da lista de best-sellers do New York Times e a Time o apelidou de "o Tolkien americano". Mas ele também se deparou com os mesmos problemas com Festim que com Tormenta. Sua solução foi dividir Festim em dois e contar a história de apenas metade dos personagens, em vez de metade da história de todos os personagens. Ele explicou tudo no post scriptum do quarto livro, logo após um final instigante. "Olhando para trás, eu deveria ter antevisto", escreveu Martin em seu site pessoal em 2005. "A história faz suas próprias demandas, como Tolkien disse uma vez, e minha história continuou pedindo para ficar maior e mais complicada."
O que pode ter sido uma limitação editorial frustrante para Martin foi uma fonte quase enlouquecedora de suspense para sua crescente base de fãs. Depois de esperar cinco anos entre o terceiro e o quarto livro, os leitores ainda ficaram imaginando o destino de favoritos como Jon Snow, Tyrion Lannister e Daenerys Targaryen. O próximo fascículo seria lançado em 2011, seis agonizantes anos depois. E foi durante esses períodos de silêncio, quando os fãs não tinham material novo com o qual se ocupar, que eles começaram a se concentrar em criar os seus próprios. "Não tenho certeza se a popularidade que antecede os livros poderia ter acontecido se os livros tivessem saído muito rapidamente", disse Antonsson. “Ter tempo entre uma série de livros é o que alimenta a discussão nas comunidades. Dura mais”.
O acesso digital e as plataformas sociais estavam evoluindo para apoiar esses tipos de obsessões. Entre 1995 e 2005, o uso global da Internet aumentou de 44,4 milhões de usuários para 1,026 bilhão. Plataformas simples para blogs, como LiveJournal, WordPress e Xanga, tornaram mais fácil para as pessoas iniciarem blogs pessoais e compartilharem suas ideias sobre qualquer coisa, independentemente de quão arbitrárias ou específicas. E as primeiríssimas redes sociais da web, incluindo o MySpace e o Facebook, estavam na infância, assim como o conceito de podcasting.
Enquanto Martin continuava atualizando sua base de fãs através de um LiveJournal chamado Not a Blog, seus fãs adoradores lidavam com sua impaciência de formas cada vez mais criativas. A maioria preferiu vasculhar os fóruns de Westeros.org ou Tower of the Hand, onde puderam analisar todas as teorias possíveis em torno de cada enredo e propor suas próprias. Uma facção de leitores impacientes se separou para formar uma comunidade ressentida conhecida como GRRuMblers. O fundador do site Winter Is Coming, Phil Bicking se agarrou a um anúncio de 2007 de que a HBO adquirira os direitos da série As Crônicas de Gelo e Fogo, e redirecionou sua energia para um site do Blogger que registrava o elenco, as filmagens e a produção da série. Mesmo antes de o piloto ter sido filmado, os fãs no site de Bicking começaram a tratar os anúncios do elenco como mistérios não resolvidos. Como um colunista de fofoca, Martin iria postar dicas sobre quem foi escalado para determinado papel em seu blog, para alimentar a chama. "Então a base de fãs passaria dias debruçado sobre aquilo, tentando desvendar o teste", disse Bicking. “Nós descobrimos todos eles. Fiquei chocado que as pessoas foram capazes de descobrir até mesmo Isaac Hempstead Wright, que interpreta Bran, e estava em um comercial antes disso”. Bicking se lembra de ter começado dois tópicos separados para discutir rumores e vê-lo ser encher com quase 1.000 comentários cada um. “Então, eu fiquei tipo: 'OK, eu tenho aqui uma comunidade dedica e de bom”, disse ele. A grande imprensa estava tomando conhecimento". Algum programa de TV recente gerou mais entusiasmo on-line, sendo que nem mesmo é um programa de TV?", perguntou o The Hollywood Reporter em 2010.
Quando a HBO estreou Game of Thrones em 2011, Martin já era famoso. Ele havia vendido mais de 15 milhões de livros em todo o mundo, fora retratado pelo The New Yorker e poderia levar sua legião de adoradores e haters ao frenesi com uma simples foto de férias postada em seu LiveJournal. Tudo isso significava que, quando o programa estreou em 17 de abril, ele se saiu bastante bem segundo os padrões de televisão. Cerca de 2,22 milhões de pessoas assistiram à estreia, o que foi menos do que o número de espectadores conquistados por Storage Wars da A&E e por The Killing da AMC, e mais do que Khloe & Lamar do E!.
Ainda assim, a crítica o recebeu de forma foi irregular. Embora muitos analistas tenham elogiado a capacidade da HBO de estabelecer um palco exuberante e cativante para a história complexa e abrangente de Martin, outros a consideraram um sinal de declínio da rede. Slate o chamou de “lixo de fantasia semi-medieval e repleto de dragões”. O New York Times o descreveu como “drama em traje de época com pingue-pongue sexual”. Em uma fala indicativa de uma conversa muito maior sobre a legitimidade da cultura nerd e sua perceptível falta de inclusão de gênero, a crítica Ginia Bellafante detonou o show por glorificar “a ficção infantil paternalmente acabou atingindo a outra metade da população”, e concluiu que “se você não é avesso à estética de Dungeons & Dragons, a série pode valer a pena”.
Enquanto isso, os servidores da Westeros.org estavam caindo. A agitação que antecedeu a estreia do programa deixou García e Antonsson com cerca de 17.000 membros registrados no Westeros.org. Mas o casal estava totalmente despreparado para a onda de interesse que se seguiu à estréia da série. Na noite em que foi ao ar, o site foi torpedeado pelas buscas do Google, e os dois cuidavam de seu único servidor como um recém-nascido com cólica. Para desviar o fluxo de tráfego, García ajustou o site para que apenas os membros registrados pudessem ver as postagens. "Eu imaginei que isso impediria as pessoas de entrarem", disse ele. No dia seguinte, ele acordou com 9.000 novas solicitações de conta. García passou horas aprovando manualmente os recém-chegados. A espera entre o terceiro e o quarto romance estimulou um aumento lento e constante de fãs, talvez um ou dois mil membros por ano entrando no fórum. Mas com a chegada do programa de TV, eles poderiam acumular vários milhares em um único dia. "Foi impressionante", disse García. “Os membros do nosso fórum chamaram a onda de novas pessoas de 'The Floob' - uma enxurrada de noobs.” Foi nessa época que García e Antonsson abandonaram suas atividades acadêmicas para se concentrarem no site em tempo integral.
Embora o casal tenha perdido alguns dos dados do número de visitantes dos primeiros dias, Antonsson lembra-se de ter assistido a vazão e o refluxo do tráfego em A Wiki of Ice and Fire quando os recém-chegados reagiram aos principais pontos da trama da primeira temporada. Esses picos foram particularmente pronunciados no episódio 9, quando o herói do programa, Ned Stark, foi executado inesperadamente. “Logo após o episódio terminar, todo mundo foi até a página de Ned Stark para checar: Ele está bem? Né?” - lembrou Antonsson. (Ele não estava.) O final da temporada do show foi assistido ao vivo por cerca de 3,04 milhões de lares - cerca de 820 mil a mais do que a estréia. A primeira temporada mais tarde viria a ser indicada para 13 Emmys e ganharia dois, para Melhor Design de Abertura e para a performance de Peter Dinklage como Tyrion na categoria Melhor Ator Coadjuvante em série dramática. Ao matar o herói de Westeros antes mesmo que a temporada terminasse, Benioff e Weiss chocaram seus espectadores menos maduros, agradaram os superfãs dos livros e plantaram uma semente de curiosidade que sustentaria a série ao longo dos próximos oito anos.
O que García e Antonsson testemunharam em seu site naqueles primeiros dias se assemelhava à conversa em duas frentes de Game of Thrones que logo surgiria na mídia e na internet como um todo. Depois de cada novo episódio televisivo, aqueles que não leram os livros (agora presumivelmente na casa dos milhões, tendo em conta a audiência do programa) correm para a Internet em busca de contexto, enquanto os leitores de livros (também uma base crescente) riem de diversão e depois analisam as diferenças entre o show e o cânone. Essa “camada paralela” de conversação, como a T Magazine do New York Times a chamou, pode ao mesmo tempo fornecer aos recém-chegados uma melhor compreensão do universo de Westeros e permitir que os veteranos testassem seu conhecimento detalhado do cânone em contraste com o show.
[...]
E há o Deus Imperador Butler. Embora o programa esteja chegando ao fim e não esteja claro se ou quando os livros remanescentes de Martin serão publicados, a comunidade que ele aprecia sobre Thrones continua viva. Em agosto, muito depois do final da série, ele participará de sua 17ª reunião da Brotherhood Without Banners na Worldcon em Dublin. "Seria meio triste não ir", disse ele.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.03.17 22:09 NatanaelAntonioli Guia para baixar conteúdos diversos

Baixar material na internet (tais como livros, músicas, e-books, filmes) pode ser algo extremamente simples se você souber exatamente onde procurar. Há uma imensa quantidade de sites que oferecem tais downloads, mas nem todos funcionam como deveriam: muitos contém dezenas de anúncios camuflados como conteúdo, outros sequer possuem o conteúdo que prometem. Assim, aqui vai um guia a respeito de onde você pode encontrar alguns materiais. Pretendo ir atualizando conforme novas fontes surgirem.

Vale lembrar que pirataria ainda é ilegal, faça esses processos por sua conta e risco.

Para todos esses meios, recomendo o uso de Ad-Block para evitar anúncios que podem te confundir.


A melhor fonte pra download de livros é a Library Genesis que possui espelhos aqui. Para baixar, basta inserir o nome do livro (talvez seguido de autor ou ano de publicação para buscas mais específicas) e observar os resultados.
https://preview.redd.it/w0cmxb36rqm21.png?width=664&format=png&auto=webp&s=a1ac6c8c2fb43086a87048b1553911a164ea994b
Clique em um deles e escolha alguma das fontes disponíveis (todas elas contém o mesmo arquivo).
https://preview.redd.it/sr7yj0sdrqm21.png?width=1277&format=png&auto=webp&s=53de3b3a5c8fef5b8bc6812c0a61a9ca2b661005
Em seguida, basta clicar no botão de download, que depende da página. Ele normalmente contém o texto "GET".

https://preview.redd.it/tpfj4zvhrqm21.png?width=792&format=png&auto=webp&s=8b5fc0a26a9feb2ea31fbddeda97c9daf252bbeb

A maior e melhor fonte para artigos científicos que não podem ser obtidos gratuitamente com uma pesquisa no Google é o Sci-hub, que tem espelhos aqui. O site é intuitivo, basta inserir o nome, PMID ou DOI e clicar em "open". O site irá, então, te redirecionar para a página do artigo (as vezes após uma captcha).

https://preview.redd.it/ljivp1v0sqm21.png?width=1200&format=png&auto=webp&s=4cbc8b853105b62fc1c3b683e8374de2005c5c33

A internet não foi inventada pra você assistir filme no X-Vídeos. A rede de torrents armazenada praticamente qualquer material cinematográfico já publicado e, para utilizá-la, você só precisa instalar um gerenciador de torrents, como o μTorrent.
Em seguida, você precisará de um indexador de torrents, como o The Pirate Bay ou o Zooqle. Apenas pesquise pelo nome do material (seguido do episódio e temporada para séries). Quando os resultados forem elencados, procure por ícones de imãs e clique neles. O seu gerenciador de torrents deve abrir automaticamente.
https://preview.redd.it/1mptyknpsqm21.png?width=921&format=png&auto=webp&s=6b6f7a4bd848c356e60a1688adb0dd151c8e64e3
Aqui, vão mais algumas dicas sobre esse sistema. O torrent é uma rede P2P, o que significa que os arquivos não estão armazenados em um servidor central, mas sim no computador de diversos usuários. Isso significa que, quando mais usuários possuírem esse arquivo, mais rápido o download será. Você pode ter uma noção pelo número de seeds (usuários que possuem o arquivo completo no computador) e leeches (usuários que só possuem parte do arquivo). Quando esses números são muito pequenos, o download tende a demorar mais, ou as vezes nem iniciar. Porém, é relativamente raro.
Também é interessante se familiarizar com algumas notações utilizadas no título de filmes e séries. São elas:

CAM: o filme foi filmado por alguém no cinema.
TS: mesmo que CAM, mas o áudio é proveniente de uma fonte externa e, portanto, costuma ter melhor qualidade.
TC: o filme é copiado diretamente das bobinas.
DVDrip: o filme é copiado de um lançamento em DVD.
VHSrip: o filme é copiado de um lançamento em fita VHS.
HDTV: o filme é copiado de uma transmissão na TV.
WEB-DL: o filme é copiado de um serviço de download on-line.
WEB-RIP: o filme é copiado de um serviço de transmissão on-line.
BD-RIP: o filme é copiado de um lançamento em Blue-Ray.

Por fim, quando você pretende assistir um filme com legenda, copie o nome do arquivo após o download, adicione um pt-br, en-us, ou qualquer outra notação de idioma ao final e pesquise-o no Google. Sites excelentes que fornecem legendas são o Legendei, o Open Subtitles e o YIFI Subtitles.

A melhor fonte para baixar jogos é o SkidRow. Tome cuidado, pois existem diversos sites com o mesmo nome que contém ad-wares. Basta pesquisar pelo título do jogo e clicar naquele que você deseja.
https://preview.redd.it/7eqrq16ruqm21.png?width=578&format=png&auto=webp&s=908d5ddb28a141a48e5b20b74c34f155b242caca
Ao final da página, você poderá escolher a origem do download. Sempre prefira os torrents.
https://preview.redd.it/erd04l8uuqm21.png?width=657&format=png&auto=webp&s=4ee0580d5656862fc0e381ab08a966068d49021c
Mas lembre-se: quando um jogo é lançado, ele normalmente contém uma proteção anti-pirataria, a qual precisa primeiro ser burlada. Você pode usar o Crackwatchpara saber se seu jogo já teve essa proteção burlada.
Por essa razão, esses downloads costumam exigir que o usuário, após a instalação, crackeie o jogo. Esse processo costuma ser bem simples, e existem instruções de como fazê-lo nos README.txt presentes nas pastas baixadas.
submitted by NatanaelAntonioli to fabricadenoobs [link] [comments]


2018.09.10 17:19 Mountaineer_br AURUTILS, Mais Um Ajudante do Aur

================ AURUTILS : AJUDANTE DO AUR ================
[Atualizado pela última vez em 18/09/18]
[!! Atualizado - Havia incompatiblidade entre os arquivos gerados pelo Repo-add e Repo-remove e depois quando se utilizava o Repose para manutençãp da base de dados; agora somente se usa o Repose]
Tutorial em Texto (Atualizado): https://docs.google.com/document/d/1syTqbeh9YOM-M8JYS_tjaleLkfESV74Q7pGEUQCZzO8/edit?usp=sharing
Tutorial em Vídeo: https://youtu.be/dAGWKwHJ4no https://youtu.be/NljLFBGERgI
== INTRODUÇÃO E BASE TEÓRICA ==
Os auxiliares ou ajudantes do Arch User Repository (AUR) automatizam certas tarefas para usar o AUR. A maioria dos auxiliares automatiza o processo de obtenção de um pacote PKGBUILD do AUR e a compilação do pacote.
*Atenção: Auxiliares do AUR não possuem suporte pelo Arch Linux. Você deve se familiarizar com o processo manual de compilação para estar preparado para diagnosticar e resolver problemas.
O Yaourt é um tipo de ajudante do AUR, porém tem-se visto ultimamente o seu desenvolvedor atualizando infrequentemente o pacote; na realidade, o Yaourt ainda funciona muito bem, porém é um bom hábito mudarmos para um auxiliar de AUR que possua um desenvolvedor animado e dócil, tanto para corrigir eventuais bugs devido a atualizações do Arch, assim como implementar funções que fazem sentido para sua comunidade.
Há um outro auxiliar de AUR muito bom escrito em Phyton e que ganhou fama rapidamente este ano, chamado de Aurman. Recentemente, o seu desenvolvedor parou com os canais de suporte direto aos usuários. Ficou irritado com tantos pedidos de funcionalidades e relatórios de erros do Aurman, e também com a ignorância dos usuários que reclamavam para ele de problemas que, na realidade, não tinham a ver com o Aurman, mas sim, por exemplo, com assinaturas GPG que não tinham sido importadas pelo próprio usuário, ou ainda PKGBUILDS que precisavam ser configurados antes da compilação.... Assim, tanto por conta dos usuários tanto por conta das pobres habilidades comunicativas do desenvolvedor, formou-se uma comunidade tóxica ao redor do Aurman.
Alternativas a esses dois grandes ajudantes de AUR são muito numerosos no mundo do Arch; o Yay tem uma boa piada de desenvolvedor na seção de "objetivos" na descrição do GitHub:
"Há um momento na vida de todos que se sente uma necessidade de escrever um ajudante de AUR porque há apenas cerca de 20 deles. Então diga oi para 20 + 1."
O Yay, programado em Go, depende de um monte de livrarias do Go. Se isso não for um problema para seu sistema, ele é super recomendável.
Ainda, em uma outra categoria de ajudantes de AUR (até agora não citamos nenhum ajudante de AUR que use "interface gráfica"), enquandram-se o Aurutils e o Bauerbill, que são coleções de scripts ao invés de algoritmos monolíticos como o Yaourt e Aurman.
Nesse tutorial, vamos instalar, adicionar um servidor do Pacman personalizado para o AUR, aprender a procurar pacotes do AUR, a instalá-los e a removê-los com o poderoso Aurutils e ferramentas do Pacman.
O desenvolvedor do Aurutils, Alad Wenter, propõe um ajudante com uma implementação com atributos de uma linguagem minimal, ou seja, uma linguagem de scripts como dash, e a preferência pela simplicidade ao invés da hiper-funcionalidade. A necessidade específica de ação de um programa segue a filosofia dos programas do UNIX.
Doug McIlroy, o inventor do sistema e um dos fundadores da tradição UNIX, resumiu (1994) a filosofia do mesmo muito tempo depois de sua criação da seguinte forma :
"Escreva programas que façam uma coisa e façam-na bem. Escreva programas para trabalhar juntos. Escreva programas para manipular fluxos de texto, porque essa é uma interface universal."
O Aurutils é na realidade um grupo de scripts que operam funções bem definidas. Vamos nos preocupar aqui somente com três dessas funções: Aursearch (busca por pacotes disponíveis nas bases de dados), Aursync (que irá usar vários scripts conjuntamente para fazer download do código-fonte e compilar um binário) e o Aurcheck (para checar por atualizações dos pacotes do AUR).
== INSTALAÇÃO & CONFIGURAÇÃO ==
O Aurutils não está disponível em nenhum repositório oficial do Pacman. O seu código-fonte encontra-se no AUR.
Se você já tiver um ajudante de AUR no computador como o Yaourt, utilize-o para compilar e instalar o Aurutils do AUR ( depois que estiver acostumado com o Aurutils, poderá remover o Yaourt -- é essa a motivação desse tutorial! )
Mas vamos supor que acabamos de instalar o Arch Linux e ainda não temos nenhum ajudante do AUR disponível no sistema. Nesse caso, vamos precisar usar as ferramentas do "Git" e o script do Pacman chamado de "Makepkg". Se não tiver o git, instale-o juntamente com suas dependências:
$ sudo pacman -S git
Abra um terminal e crie uma pasta "ajudanteaur", por exemplo, dentro da pasta do seu usuário:
$ mkdir ajudanteaur
Depois precisaremos entrar na pasta cridada:
$ cd ajudanteaur
Vamos clonar o código-fonte do Aurman pelo Git:
$ git clone https://aur.archlinux.org/aurutils.git
E dê um cd para a pasta aurutils que foi criada com o comando do git:
$ cd aurutils
Em seguida, vamos usar o script do Pacman para construir o binário e instalá-lo no sistema, mas antes precisamos adicionar a assinatura GPG do desenvolvedor do Aurutils no nosso molho de chaves no Arch , do contrário o binário não poderá ser compilado (vai dar erro):
$ gpg --recv-keys 6BC26A17B9B7018A
$ makepkg -si
Siga as instruções no visor para compilação/instalação do binário no sistema. Observe que deverá ser feita a instalação das dependências do Aurutils, também. Essas dependências incluem pacotes dos repositórios oficiais como: base-devel devtools vifm aria2 parallel expac repose . Para ter certeza que foram instalados:
$ sudo pacman -S base-devel devtools repose vifm vim aria2 parallel expac
Os pacotes mais importantes são "base-devel" e "devtools" (OBRIGATÓRIOS) que têm ferramentas para compilação de pacotes, "Repose" (OPCIONAL) que é um gerenciador de base de dados que vamos precisar no final, "vifm" e "vim" (OPCIONAL) para modificar arquivos de PKGBUILD e PATCH na linha de comando; "aria2" e "parallel" (OPCIONAIS) para downloads simultâneos; e o "expac" (OPCIONAL) que é um scrpit usado pelo Aursift, que tem funções avançadas de compilação para desenvolvedores de aplicativos...
== CRIANDO UM REPOSITÓRIO PERSONALIZADO DO AUR ==
Será necessária a criação de um repositório personalizado localmente e configurá-lo para ser utilizado pelo pacman. De acordo com o manual do aurutils, vamos primeiro configurar o repositório pessoal chamado "custom" e em um segundo momento vamos de fato criar o banco de dados "custom". Acredito que aqui a ordem dos fatores não altere o produto mas estou seguindo o tutorial do desenvolvedor.
Assim, comece criando um arquivo de configuração separado para o repositório personalisado "custom";
Como root, crie um arquivo de texto dentro da pasta "/etc/pacman.d/" com o nome "custom" e insira no arquivo de texto o seguinte:
[options] CacheDir = /vacache/pacman/pkg CacheDir = /vacache/pacman/custom CleanMethod = KeepCurrent
[custom] SigLevel = Optional TrustAll Server = file:///vacache/pacman/custom
Ainda como root, navegue até o arquivo "/etc/pacman.conf" e adicione a seguinte linha no final do arquivo, onde for possível:
Include = /etc/pacman.d/custom
Em uma janela de terminal, criaremos o diretório do respositório "custom" e depois povoar o respositório;
$ sudo install -d /vacache/pacman/custom -o $USER
Em seguida, caminhe até o diretório:
$ cd /vacache/pacman/custom
E depois vamos criar uma base de dados nova com o prohgrama Repose:
$ repose -vf custom.db
Explico, -v para verbose e -f para também criar um arquivo “custom.files” (uso do Pacman)
Por fim, sincronize as bases de dados com o Pacman:
$ sudo pacman -Syu
*Nota do desenvolvedor do Aurutils (página do manual): É recomendado usar-se o diretório de cache do pacman (CacheDir) como o provedor dos pacotes; isso evita que haja qualquer incompatibilidade entre os pacotes compilados e qualquer versão em cache. Por essa razão vamos seguir o tutorial original do desenvolvedor, mas se você quiser fazer pastas de cache para o Aurutils em outra localização diferente da que mostramos aqui, você deverá se atentar para modificar as configurações do Pacman lerem os diretórios adequados).
Configuração concluída!
== USO DOS SCRIPTS DO AURUTILS : AURSEARCH, AURSYNC E AURCHECK ==
Para procurar um pacote, usar o script "Aursearch"
$ aursearch [nome_pacote]
Para baixar o código-fonte de um aplicativo e compilá-lo como a maioria dos outros ajudantes de AUR, usa-se o script "aursync" (que roda os scripts do "aurfetch", "aurchain" e "aurbuild" em conjunto):
$ aursync [nome_pacote]
Se houver o programa "vifm", o aursync vai mostrar os arquivos de configuração para compilação do código-fonte, como PKGBUILD e PATCHES, e uma maneira de editá-los na interface de linha, do contrário o Aursync só vai mostrar uma lista com o nome dos arquivos que foram baixados; você poderá abrir e modificar esses arquivos, via interface gráfica, antes de dar prosseguimento à instalação;
*Atenção. Para SALVAR e SAIR do VIM e VIFM, aperte “Esc” e depois “:x”; Para SAIR do VIM e VIFM, aperte “Esc” e depois “:q”;
*Atenção. Se houver errors relacionados à falta da chave dos desenvolvedores no seu molho de chaves, adicione as chaves com o comando “gpg --recev-keys [CHAVE]”
Depois da compilação sem erros (que podem ser resultado de más configurações do PKGBUILD), será feita uma cópia do binário produzido no repositório "custom" que criamos, e automaticamente o Aursync irá atualizar o arquivo da base de dados e disponibilizará o registro do binário no repositório.
Porém, o binário que tem uma cópia no repositório ainda precisa ser instalado via Pacman no sistema operacional ( em /usbin ); esse é um passo normal que os ajudantes de AUR como Yaourt também fazem, porém faremos manualmente (se não me engano, no Aurutils não tem um gancho no script que faz essa parte ou eu ainda não descobri...).
Então, vamos sincronizar os repositórios, incluaindo o repo pessoal "custom", para o pacman saber quais binários estão disponíveis:
$ sudo pacman -Sy
Finalmente, podemos instalar o binário gerado pelo Aurutils no sistema. Note que o binário agora está disponível no repositório "custom" e reconhecido pelo Pacman para instalação no sistma (ou seja, instalação do binário na pasta /usbin ) :
$ sudo pacman -S [nome_pacote]
Note que o Pacman vai buscar o pacote do repositório "custom" que criamos anteriormente.
Para checar se há updates do AUR, rodar:
$ aurcheck -d custom
A flag "-d" diz para o aurcheck checar por atualizações no repositório "custom".
== MANUTENÇÃO DOS PACOTES DE CACHE DO AURUTILS & PACMAN ==
Depois de instalar e desinstalar vários pacotes pelo Aurutils, os códigos-fontes irão ficar guardados em "/home/$USE.cache/aursync", e uma outra cópia do binário compilado disponível no repositório "custom" em "/vacache/pacman/custom". Essa parte de limpeza geralmente é manual e deve ser feita periodicamente para economizar espaço em disco e consolidar a base de dados do Pacman e Aurutils.
Poderá limpar o cache de códigos-fonte em "/home/$USE.cache/aursync" sem problemas, porém os binários gerados da compilação desses cógigos-fintes ainda irão estar disponíveis no repositório "custom" do Pacman.
Para remover binários de versões anteriormente instalados que ainda estão disponíveis no repositório "custom", pode-se usar tanto o comando do Pacman ou o script de limpeza do Pacman, que são mais ou menos equivalentes. Prefere-se o método de script do Pacman, "Paccache". (Acredito que você poderá, mais seletivamente que o Paccache, deletar os pacotes com binários do repositório custom manualmente, e depois prosseguir para a reconstrução da base de dados do respositório).
O Paccache é um script poderoso e flexível para limpeza de cache do Pacman. Ele está junto com o pacote “pacman-contrib” de ferramentas mantido pela comunidade; se não tiver esse pacote ainda, instále-o com:
$ sudo pacman -S pacman-contrib
Para remover a disponibilidade dos binários de versões anteriores somente no repositórios personalizado “custom”, menos as três últimas versões de cada pacote (padrão), rodar:
$ paccache -rk 3 -c /vacache/pacman/custom
Onde “-r” é o comando de remover versões antigas; “-k” (keep) de manter o número n de versões do pacote instalado mais recentes; e “-c” designa o caminho do diretório de cache do repositório que queremos que o Paccache faça a limpeza;
Para remover todas as versões mais antigas, menos a versão atual dos binários, no repositório "custom":
$ paccache -rk 1 -c /vacache/pacman/custom
Para remover todo o cache de todas as versões de pacotes contidos no repositório "custom":
$ paccache -rk 0 -c /vacache/pacman/custom [*AVISO: Ação não recomendada pois o Aurcheck possivelmente não conseguirá procurar por atualizações de pacotes que foram removidos do cache; porém desde que o arquivo de base de dados “custom.db” não for atualizado com Repose, o Aurcheck ainda conseguirá checar por updates!]
*Atenção. Se o caminho do cache “-c /vacache/pacman/custom” não for especificado, o Paccache irá fazer a limpeza nos repositórios oficiais do Pacman e em quelquer outro repositório pessoal que tenha sido criado dentro de /vacache/pacman/ . Nesse caso, pode-se utilizar o comando do próprio pacman que é equivalente ao do Pacache para deixar as três últimas versões de pacotes nos repositórios com:
$ sudo pacman -Sc
Ou o comando abaixo para retirar todo o cache de binários disponíveis localmente de todos os repositórios (Cuidado!):

$ sudo pacman -Scc [AVISO:Comando *não recomendado também!]

Para que serve uma cópia do pacote de binário no repositório "custom"? Isso permite que o Pacman possa desinstalar um programa e reinstalá-lo no sistema mesmo sem acesso à internet; e se alguma atualização afetar negativamente um aplicativo, poderá utilizar o cache de um binário mais antigo do mesmo pacote (downgrade) que não apresente problemas.
Se você precisar fazer downgrade de um aplicativo, ou se quiser reinstalar um aplicativo que desinstalou, deverá fazer novo download do binário pelo Pacman ou recompilar pelo Aurutils pelas formas convencionais, e isso é sempre um risco já que você não sabe se uma nova versão do aplicativo irá realmente funcionar no seu sistema ao invés de usar um binário que já estava disponível no repositório pessoal! Além disso, com os pacotes com os binários já compilados no seu repositório personalizado local, poderá fazer uma cópia desse repositório no pen-drive e levar para um novo computadosistema e reinstalar todas as últimas versões dos aplicativos sem precisar compilar eles de novo do código-fonte.
Sempre que se desinstalar um pacote do sistema e quiser retirar o binário do repositório local “custom” ou limpar as suas versões antigas, é necessário atualizar a base de dados do repositório pessoal "custom" que é utilizado pelo Pacman manualmente, com a ajuda de um gerenciador de base de dados chamado "Repose" (instalado no primeiro passo deste tutorial); Navega-se até a pasta /vacache/pacman/custom e deleta-se os pacotes que não tem mais interesse e depois atualiza-se o arquivo da base dados da seguinte forma:
$ cd /vacache/pacman/custom
$ repose custom.db -v
O Repose irá atualizar o arquivo “custom.db” e -v para verbose que irá mostrar as operações que efetuou.
Para uma lista (-l) com os binários disponíveis no “custom.db”, rode dentro da pasta de cache:
$ respose -l custom.db
Nessa operação, o Repose irá verificar quais pacotes estão disponíveis de fato no cache do repositório e atualizar a base de dados. Então, é necessário usar o “cd” e caminhar até a pasta de cache do repositório “custom”, primeiro, assim o Repose poderá operar com os arquivos da pasta sem precisarmos especificar caminhos para ele.
*Em caso de manutenção e limpeza de pacotes, também não se esqueça de excluir os códigos-fonte na pasta “/home/[usuário]/.cache/aursync”
Agora, sincronize todas as bases de dados para o catálogo de programas ficarem disponíveis para o Pacman com:
$ sudo pacman -Sy
*Exclarecimento: os procedimentos manuais que qualquer ajudante ou wrapper do AUR substituem são os seguintes:
Download do código-fonte -> Compilação do binário e empactamento -> Cópia do pacote para um repositório local -> Atualização do banco de dados do repositório local -> Uso do Pacman para instalação do binário no sistema
== Exemplos de uso do Repose ==
IMPORTANTE: Caminhe até a pasta que se quer criar uma base de dados para sempre rodar os comandos da pasta em que irá de fato trabalhar:
$ cd /vacache/pacman/custom
Cria um arquivo de base de dados limpo, ou se já houver pacotes na pasta, atualiza a base de dados com os novos pacotes. Aqui, o arquivo da base de dados terá o mesmo nome que o repositório local e se chamará "custom.db":
$ repose -vf custom.db
A opção "-v" da verbose sempre pode ser utilizada para podermos ver o que o programa está fazendo, do contrário, o Repose só irá mostrar mensagens se houver algum erro ou aviso; e estamos usando de forma explícita a opção "-f" é para criar um arquivo adicional de banco de dados "custom.file" que é usado pelo Pacman (padrão).
Quando o Aurutils já tiver compilado um binário, criado o pacote para a instalação (xyz.pkg.tar.gz) e copiado ele para a pasta do repositório custom local, você poderá atualizar o arquido de banco de dados com o seguinte comando:
$ repose custom.db -v
Neste caso, como o Repose vai encontrar o arquivo "custom.db", irá simplesmente atualizá-lo e a opção "-v" vai mostrar quais pacotes ele está inserindo na base de dados (adding) e quantos retirando (dropping).
Assim, sempre que Deletar um pacote do cache do repositório local, atualize o arquivo de bacno de dados.
Após essas operações, não se esqueça de Sincronizar os repositórios do Pacman com:
$ sudo pacman -Sy
*Lembre-se que o Aursync já atualiza o arquivo do banco de dados automaticamente toda vez que compila um pacote novo.
== REFERÊNCIAS ==
1) https://wiki.archlinux.org/index.php/AUR_helpers_(Português)
2) https://wiki.archlinux.org/index.php/Talk:AUR_helpers
3) https://www.reddit.com/archlinux/comments/9aotjaurman_no_longer_being_maintained_publicly/
4) https://www.ostechnix.com/recommended-way-clean-package-cache-arch-linux/
5) https://www.reddit.com/archlinux/comments/7kxa9o/aurutils_reporemove_in_a_pacman_hook_and_list/
6) https://homepage.cs.uri.edu/~thenry/resources/unix_art/ch01s06.html
7) $ man pacman.conf Vide "REPOSITORY SECTIONS"
8) $ man aurutils
9) $ man aursync
10) $ man paccache
11) $ man repose

submitted by Mountaineer_br to linuxbrasil [link] [comments]


2017.10.19 12:38 Maribel-han A importância de um backup

Hoje basicamente estava eu, lá pra meia noite de boas no Reddit quando olhei o relógio para ver as horas (não me diga...) 00h10, hora de ir dormir, pois tem trabalho pela manhã e etc... e então que em um lapso de genialidade penso “Ei! Falando nisto saiu aquela atualização do sistema que colocava aquele sistema de arquivos novo lá, APFS era? Que tem aquelas frescuras todas pra SSD e os paranaues todos, why not?” Como meu pc não havia convertido automaticamente na atualização fui pesquisar como converter o sistema pra este formato novo e deixaria ele atualizando pela noite, genial não?
00h20 ligo em modo de recuperação e mando converter tudo. 00h25 o computador termina o processo de conversão. 00h30 vem o desespero, computador inicia, ok, aparece o símbolo da maçã, ok, então vem um símbolo de proibido, neste momento gelei, imaginei que havia destruído minha peça de hardware overpriced que levei dois anos juntando pra comprar. Reiniciei, nada, entrei no modo de recuperação de novo, mando iniciar pelo disco recém convertido da um erro de alguma coisa nos arquivos de boot. Não tenho a mínima noção de como é o mecanismo de boot de um Mac, não consigo acessar o disco, já começo a entrar em desespero, especialmente pois recentemente minha irmã estava utilizando o computador para fazer o TCC dela e ela não tem a mania de salvar em pendrive nem nada (embora eu já tenha dito a ela isto).
Eis que com isto me lembro do time machine. Num último esforço Decidi tentar recuperar o computador pelo backup, “último backup 18/10/2017 23:45”. Hail Eris!!! Não vou perder quase nada, agora só falta ver se o negócio vai funcionar pois parecia que uma vez que migrou o sistema pro APFS ele não retornava pro HFS+, deixei o negócio restaurando pela noite e fui dormir 1h30 da manhã suando frio com medo de ter perdido a única cópia do TCC de minha irmã.
Fastfoward pra hoje de manhã, acordo e já pulo pro computador, lá está ele na tela de login perfeitamente normal, entro em minha conta, tudo ok perdi umas 5 imagens do Pixiv que havia salvo no desktop um pouco antes de toda história começar mas ok nada importante. Entrei no perfil de minha irmã, aparentemente tudo Ok. Desligo o computador e vamos fingir que nada aconteceu.
Tl;Dr: façam backups periodicamente
submitted by Maribel-han to brasil [link] [comments]


2017.09.05 20:52 moizesmendes Hoje fazem dois anos que instalei o Ubuntu [Desabafo]

Resolvi dar uma chance para o Ubuntu. Achei que seria difícil a instalação. Mas foi bem simples. Achei o sistema bem feio, até mais que o Windows, mas insisti.
No começo foi estranho. Não sabia onde fazer a maioria das coisas. Mas o Windows continuou me forçando a tentar. Todo dia eu ligava era entre 10 a 20 minutos bloqueado: atualizando o sistema. Eu desativei essa opção de atualizar diariamente, mas de nada adiantou. As vezes tinha que resolver alguma coisa urgente e o Windows parado.
Instalei o Libre Office. Não me acostumei com o Gimp, achei o Pinta. Aprendi a instalação por linha de comando e a coisa começou a fluir.
Enquanto isso o Skype parou de funcionar no Windows. Troquei a senha do WiFi e nunca mais consegui conectar, mas mesmo assim as atualizações continuam lá travando o sistema por horas. O.o
Aprendi que co Linux você pode fazer quase qualquer coisa. Por exemplo diminuir ainda mais o brilho da tela com o xconfig. Desabilitar e habilitar os hardwares com o xinput. Instalar fontes de texto? Um comando. Atualizar todo o sistema? Um comando. Desinstalar programas? Um comando.
O Windows faz o cooler ficar o tempo todo no máximo. Lento. Sofrendo. No Linux, o computador só ligou o cooler em uma atualização há muito tempo.
Hoje, fazem exatos dois anos que instalei o Linux. E mesmo sendo um usuário leigo, entendo que o modelo de construção do Linux é mais fluido, mais leve, exige menos da máquina.
Tenho pavor de ligar o Windows, que é todo original. Somente a suíte Office é instalada. O computador tem bastante memória e espaço em disco mas ficou impossível de mexer. Principalmente agora que passo muito tempo sem mexer no Windows.
Tl;Dr: o Windows está cada vez difícil. O Linux cada vez mais fácil. Se vc não usa Linux, PARE DE SOFRER!
submitted by moizesmendes to linuxbrasil [link] [comments]


2016.11.05 16:50 pimpaa Pessoal, criei um site para ajudar os brasileiros a montarem um computador

Bom dia, redditors!
Eu e mais dois amigos trabalhamos durante alguns meses em um projeto para ajudar os brasileiros a escolherem peças para montar um PC novo, dar um upgrade em um existente, pesquisar preços etc.
No site é possível escolher as peças básicas de um computador (cpu, cooler, placa-mãe, placa de vídeo, ram, hd/ssd, gabinete e fonte) enquanto o sistema realiza exatos 42 testes de compatibilidade entre elas, por enquanto estamos com pouco mais de 700 peças cadastradas no banco. Depois disso o usuário pode ver quais as lojas do brasil que vendem as peças pelo menor preço (inicialmente somente Kabum, Terabyte e Pichau).
Gostaria de saber a opinião de vocês sobre o assunto e sobre o projeto, que acabamos de colocar online.
Agradecemos desde já o feedback estou a disposição para tirar dúvidas
(se este post for impróprio para o subreddit /brasil peço desculpas e podem removê-lo).
Link do site: http://craftmybox.com
Link do subreddit: https://www.reddit.com/craftmybox/
Edit: Preciso sair agora mas o marchiore também é desenvolvedor e pode tirar suas dúvidas, obrigado pessoal.
Edit2: Reddit! Sinceramente eu não esperava tanto feedback assim!! Ficamos muito surpresos positivamente com a comunidade brasileira e muito felizes que vocês gostaram do nosso trabalho. Temos muitas coisas ainda pra melhoraimplementar e podem ter certeza que continuaremos atualizando.
Continuem com o feedback que assim que puder eu, o marchiore ou o leandroperes_ esclarecemos qualquer dúvida.
submitted by pimpaa to brasil [link] [comments]


2016.11.04 01:13 bolao PROCON e o SKYPE

O Skype exige que eu atualize a versão do programa. A cada 5 minutos me manda uma mensagem. E se eu der enter na hora errada ele sai atualizando. Na mensagem eles dizem que será "maravilhoso" para minha felicidade!
Mas como o computador (velho e lerdo) tem Windows XP, se eu aceitar a "atualização" vou perder o SKYPE, pois vai exigir o Windows 7 (ugh). E terei de pagar novamente, por um novo Windows.
O Código de Defesa do consumidor deveria proteger nós pobres...
submitted by bolao to brasil [link] [comments]


2016.05.09 12:09 Cyl0n_Surf3r Arduino Uno Joystick Project Help.

So I recently purchased an Uno and a Link Thumb Stick Module to create a 1 stick joystick attachment for my Hotas. I followed a guide online and overall the project worked out well. My only issue is that the thumb stick module I purchased has a smaller range compared to most, 200~700.
Although the code I used works, it has a problem where by the code tester cannot see the stick being pushed full range, I can over come this when I turn the Arduino unit into a Windows Joystock and then calibrate it. However this then leaves me with quite a large deadzone. Any idea how I can get round this?
The code I used was:

include "UnoJoy.h"

void setup(){
setupPins(); // Subrotina que configura os pinos do Arduino setupUnoJoy();// Inicializa as funções do UnoJoy }
void loop(){
// Sempre fica atualizando o dado a ser enviado ao computador dataForController_t controllerData = getControllerData(); setControllerData(controllerData); }
void setupPins(void){
// Configura os pinos digitais 2~12
// como entrada e com pull-up ativado
for (int i = 2; i <= 12; i++){
pinMode(i, INPUT);
digitalWrite(i, HIGH);
}
}
dataForController_t getControllerData(void){
// Configura local onde dados do controle são armazenados
// Serve para limpar o buffer onde os dados do controle são armazenados
dataForController_t controllerData = getBlankDataForController();
// Configura o joystick Analógico
// A leitura "analogRead(pin)" retorna um valor de 10 bits(0~1023),
// Nós usamos um o "map" para deixar na faixa de 8 bits (0~255)
// Aproveitamos o map para inverte a leitura no eixo Y
controllerData.leftStickX = map((analogRead(A0)),0,1023,0,255);
controllerData.leftStickY = map((analogRead(A1)),0,1023,255,0);
submitted by Cyl0n_Surf3r to arduino [link] [comments]


Windows Update não atualiza - RESOLVIDO 100% - YouTube Windows 10 Não Atualiza? Veja Como Resolver! - YouTube COMO ATUALIZAR O YOUTUBE NO ((PC)) - YouTube ATUALIZANDO WINDOWS 7 PARA WINDOWS 10 (GRÁTIS!) - YouTube Como atualizar o computador com Windows 7, 8 ou 10 - YouTube Atualizando para o Windows 8.1 - YouTube Como Deixar Seu PC 100% Atualizado! (Windows,Drivers no ... Atualizando scanner Kaptor V2S no computador - YouTube Como atualizar do Windows 7, 8 e 8.1 para o Windows 10 sem ... TUTORIAL - COMO 'ATUALIZAR' VISUAL DO YOUTUBE NO PC ...

15 programas para atualizar os drivers do PC AppTuts

  1. Windows Update não atualiza - RESOLVIDO 100% - YouTube
  2. Windows 10 Não Atualiza? Veja Como Resolver! - YouTube
  3. COMO ATUALIZAR O YOUTUBE NO ((PC)) - YouTube
  4. ATUALIZANDO WINDOWS 7 PARA WINDOWS 10 (GRÁTIS!) - YouTube
  5. Como atualizar o computador com Windows 7, 8 ou 10 - YouTube
  6. Atualizando para o Windows 8.1 - YouTube
  7. Como Deixar Seu PC 100% Atualizado! (Windows,Drivers no ...
  8. Atualizando scanner Kaptor V2S no computador - YouTube
  9. Como atualizar do Windows 7, 8 e 8.1 para o Windows 10 sem ...
  10. TUTORIAL - COMO 'ATUALIZAR' VISUAL DO YOUTUBE NO PC ...

Veja como resolver o problema de Windows Update não sai do Verificando se há atualizações e baixar todas as atualizações do Windows de uma vez,tutorial compl... *INSCREVA-SE 📙Canal LSG* https://goo.gl/onqPU0 📙Canal LSG Dailymotion http://www.dailymotion.com/lsggameplayer 💥 *ANTIGO CANAL 🡆 LSG* »» https://goo.gl/... Veja como é fácil atualizar o seu computador ou notebook de uma forma simples e rápida. Conheça Nosso Site: https://www.imperioteck.com/ REDES SOCIAIS: ... salve galera espero que tenham gostado dessa vÍdeo aula jÁ que muita gente estava pedindo. =====... Saiba como atualizar o Windows 8 para a versão 8.1, atraves da loja. Para mais: http://dell.to/1hLrJzI Atualização Kaptor V2S via computador Como deixar seu PC 100% atualizado em três passos rápidos: 1) Atualizando o Windows Update. 2) Instalando vários programas fundamentais que são necessários p... Instagram:https://www.instagram.com/henrique_santos_br159/ Facebook: https://www.facebook.com/ricksantthosyt5000 Twitter:https://twitter.com/Henriqu247684... Aprenda atualizar do windows 7, 8 e até 8.1 para o windows 10, sem perder nenhum arquivo, ou programa instalado, tudo direto do windows update, confira agora... Se por alguma razão o seu Windows 10 parou de atualizar, veja como é simples corrigir este problema. A solução apontada neste vídeo se aplica, principalmente...